May 12 2012

Anna Raphaela Drumond

Nome sujo – entenda o que é e saiba como evitar.

Quando você compra alguma coisa ou pede um crédito, a empresa consulta um cadastro existente nos órgãos de defesa do crédito, que são o SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) ou Serasa (empresa de análise para decisões de crédito).  O SPC é utilizado por lojistas, o Serasa presta serviços a instituições financeiras como bancos e cartões de crédito e o CCF fornece informações sobre cheques sem fundo, atualizado por todos os bancos.

No caso de você ter feito uma dívida que deixou de pagar por diversas circunstâncias que interferiram em seu orçamento ou também no caso de você ter pago com um cheque que não possuía fundos no momento, seu nome vai constar de um cadastro de CPFs. Esse cadastro é atualizado por empresas credenciadas e pode ser consultado por lojas e outros estabelecimentos a qualquer momento. Pode acontecer de informarem que você não é bom pagador, o que equivale a dizer que você tem o “nome sujo”.

Portanto, ao deixar de cumprir uma dívida você precisa saber que a empresa credora pode incluir o seu nome no Serviço de Proteção ao Crédito, ou no Serasa e cadastro do CCF. Alguns estabelecimentos, após 15 dias do vencimento da dívida, até acionam o Cartório de Protestos, para acionar o devedor judicialmente.

A questão importante é que você recebe um aviso prévio sobre a inclusão do seu nome nesses órgãos e muitas vezes existem equívocos, que normalmente acontecem. Se o pagamento não for efetuado, na próxima vez que você precisar abrir um crediário ou pagar uma conta com cartão de crédito, você será rejeitado, o que pode ser bastante desagradável. Quando a inclusão foi por equivoco das empresas, há casos em que a pessoa prejudicada recorre à justiça, processando o estabelecimento por danos morais e exigindo uma indenização. Se essa for o seu caso, não hesite em procurar um advogado para orientação.

O aviso para pagamento é enviado através de carta para um endereço cadastrado. Entretanto, se você mudou de residência ou se a correspondência não lhe foi entregue, o que costuma acontecer, é possível que não seja informado em tempo hábil para pagar a dívida, pois o prazo para o pagamento costuma ser de dez dias após o recebimento carta.

Na hipótese de você não conseguir atender a esse novo prazo, o seu nome será negativado, ou seja, você não conseguirá mais crédito na praça e terá dificuldade em comprar a prazo ou mesmo utilizar cheques e cartão de crédito, pois muitas lojas costumam também consultar o cadastro dos cheques sem fundo para aceitar um cheque, alem do Serasa e SPC. Esse procedimento afeta igualmente pessoas físicas e jurídicas, que passam a se enquadrar na categoria de “inadimplentes”.

Para evitar essa situação, os economistas aconselham que você tenha anotado um orçamento pessoal e doméstico, e calcule o quanto pode gastar por mês para o pagamento de suas dívidas, principalmente as que estão em atraso. É possível fazer anotações ou planilhas de acordo com os itens: alimentação, despesas com instrução, farmácia, higiente, lazer e supérfluos. Elas correspondem a necessidades básicas, necessidades temporárias e necessidades que podem ser postergadas por não serem necessárias. A partir das anotações ficará visível onde se pode cortar gastos para chegar a um equilíbrio financeiro.

Muitas vezes é preciso primeiramente limpar o nome nos cadastros do SPC e Serasa para poder conseguir um empréstimo com o objetivo de pagar as dívidas e se colocar numa situação mais vantajosa. É possível também renegociar a dívida em um banco, solicitando mais prazo e com juros menores para pagar.

Sobre o autor: Anna Raphaela Drumond

Anna Raphaela Drumond, tradutora e escritora, nascida no Rio de Janeiro. Apaixonada por línguas, em especial pela língua portuguesa e inglesa, trabalha como tradutora, revisora e escritora desde 2005. É estudante de Letras Português/Inglês da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP.


Discussão

Sem comentários. Seja o primeiro a responder!

Postar um comentário