Aumento da inadimplência no Brasil

Solicite seu empréstimo agora, preencha nosso formulário de cotação, clique aqui.

Aumento da inadimplência no BrasilSabemos que o mundo passa por uma forte recessão e o Brasil não fica de fora. A crise por aqui chegou com muita força e com ela o aumento da inadimplência. Vamos entender um pouco mais sobre esse momento agora!

Graças ao momento econômico vivido em nosso país, que passa por uma grande recessão, onde diversas empresas estão fechando as portas e o desemprego está aumentando de forma considerável, é cada vez maior o número de pessoas que se encontra inadimplente com suas contas.

Que tal deixar de estar na lista dos inadimplentes, contratando um empréstimo para quem está com o nome sujo?

O aumento da inadimplência

O número de inadimplentes em nosso país vem crescendo, chegando ao ponto de mais de 50 milhões de brasileiros estarem com seus nomes inscritos em alguns dos órgãos de proteção ao crédito. A cada mês que passa, a quantidade de pessoas que está com alguma conta atrasada tem aumentado, e os órgãos de proteção ao crédito apontam que de cada 10 brasileiros, 4 estão com alguma conta atrasada.

Solicite seu empréstimo agora, preencha nosso formulário de cotação, clique aqui.

De acordo com os economistas, o aumento do número de pessoas inadimplentes está diretamente ligado à piora dos índices econômicos de nosso país (renda, inflação, emprego e etc.). Com a piora da economia brasileira, as pessoas tiveram suas condições financeiras afetadas, graças ao aumento do custo de vida, e isso tem prejudicado a capacidade das pessoas pagarem as suas contas.

O que as pesquisas dizem

De acordo com as pesquisas, a recessão tem prejudicado o pagamento das contas básicas e essenciais na vida dos brasileiros, como água e luz, que sofreram fortes aumentos nos índices de inadimplência (são as contas que mais sofreram atraso por parte da população brasileira).

Outras contas que estão sofrendo com a inadimplência gerada pela recessão econômica e aumentando as dívidas do povo brasileiro são: telefone, internet, TV por assinatura, cartão de crédito, empréstimos e financiamentos.

As dívidas junto às instituições financeiras devem ter bastante atenção das pessoas, pois os empréstimos, cartão de crédito e limites bancários possuem uma taxa de juros muito elevada, e em um curto prazo de tempo essa dívida aumenta demais, o que pode levar a pessoa a ficar altamente endividada.

Região com maior índice de devedores

Veja como evitar ficar com o seu nome sujo, seguindo as nossas dicas!

Conforme pesquisas, o aumento da inadimplência no Brasil possui maior índice de devedores nas seguintes regiões: Centro-Oeste com 5 milhões (sendo 44,12% da população adulta), Norte com 5,4 milhões (sendo 46,42% da população adulta), Sul com 8,1 milhões (atingindo cerca de 36,41%  da população adulta) e, liderando, o Sudeste com 24,2 milhões (atingindo 37,37% da população adulta).

A faixa etária que mais faz parte do aumento da inadimplência no Brasil vai dos 30 aos 39 anos. Conforme pesquisa levantada pelo SPC Brasil e CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas), são 49,59% de devedores dentro dessa faixa etária. Já as pessoas com 40 a 49 anos, somam um total de 46,32%, enquanto que os jovens de 25 a 29 anos, chegam a um total de 47,12% e os de 65 a 84 anos, com 29,44%.

A boa notícia é que as dívidas das pessoas físicas despencaram em 14,90%, em comparação a novembro de 2015 e de 2016. Tanto as contas relacionadas a TV por assinatura, internet, telefonia, dívidas bancárias e comércio, tiveram uma queda. Porém, os serviços básicos, como luz e água, ocorreu alta.

Ainda assim, os bancos concentram 48,24% do valor das dívidas, enquanto que a água e luz estão com 7,96%, a comunicação com 13,35% e o comércio está com 20,31%.

Quer saber como conseguir um empréstimo pessoal se você tem restrição? Nós te mostramos. 

Como evitar o problema

Para a pessoa evitar o aumento de suas dívidas é interessante que passe a adotar o controle orçamentário de suas finanças. A partir desse momento é necessário negociar as dívidas dentro de valores e condições possíveis de serem pagas e evitar a realização de novas contas. Desta maneira, a saúde financeira da pessoa poderá se recuperar e ela pode voltar a usufruir do crédito disponibilizado pelas mais diversas empresas.